26 de julho de 2013

MINI APPLE DRESS



Não é giro? Eu sei que não está passado a ferro, mas é lindo e mini. Ontem tive que ir às compras porque a miúda é grande. Muito grande. Nada lhe serve, todas as semanas tiro 4 camiões tir de roupa das gavetas porque ficou pequena. Até que encontrei esta pequena relíquia salpicada de maçãs e não me consegui conter. Prepara-te amigo, vais ficar cheio de baba (no mínimo).


ORA...


...mais vale uma mão no teclado que duas no ar.


SUPER MAXI ZOLA & ME


(só porque um blog não é uma rede social)


Agarrar na bochecha da Zolita, ou no braço ou na perna dela, é muito parecido com a sensação de agarrar numa borracha branca da marca Rotring. Só que gigante. Eu sei que é uma analogia muito estranha, mas não consigo evitar. Sempre adorei a textura dessas borrachas.

NÃO AGUENTEI E FIZ QUEQUES




Aqui estão: os meus primeiros queques! Normais, nada pretensiosos. Um pouco massudos até, mas isso é resultado das alterações constantes que faço nas receitas. Desta vez misturei creme de chocolate =). Como se isso não bastasse, ao lado do prato está uma taça com chocolate para mergulhar os queques. Eu sei que vou pagar isto muito caro.

25 de julho de 2013

EU GOSTO É DO VERÃO II

 Allan Grant—Time & Life Pictures/Getty Images - Malibu, California, 1961

 Loomis Dean—Time & Life Pictures/Getty Images - California, 1950

 Allan Grant—Time & Life Pictures/Getty Images - Malibu, California 1961

  Ralph Crane—Time & Life Pictures/Getty Images - Hawaii, 1959


 John Diminis—Time & Life Pictures/Getty Images - Australia, 1958

  Allan Grant—Time & Life Pictures/Getty Images - Malibu, California 1961

 Ralph Crane—Time & Life Pictures/Getty Images - Hawaii, 1959

 Allan Grant—Time & Life Pictures/Getty Images - Malibu, California 1961

Allan Grant—Time & Life Pictures/Getty Images - Malibu, California 1961

Oficialmente apaixonada pelo arquivo de fotografia da revista Life. Estas fotos de surf podiam ter sido perfeitamente tiradas em Portugal, mas nestas décadas de 50, 60, penso que ninguém praticava nada em cima de pranchas ainda.

24 de julho de 2013

LISTA DE CONQUISTAS

Coisas que a Zolita (que fez 4 meses) já sabe:

  • agarrar coisas
  • que às vezes as coisas que tem na mão vão para a boca, (mas que outras vezes vão sem querer para o olho)
  • que os teclados são sítios para dar marretadas
  • dizer "grrrrrrrrrrrrrr" e "abu"
  • que a banheira tem um buraquinho para enfiar o dedo
  • chapinhar
  • que se está a fazer a sesta na cama pode gritar e pode conseguir fazer a sesta no parque-castelo, e se subir um tom pode conseguir fazer a sesta à janela, sentada no carrinho, e se subir muitos tons o pai toca uma canção de embalar na guitarra até ela fechar os olhos

GULA STRIKES AGAIN


Esta semana ando obcecada com este queque. Não sei porquê, nunca segui esta modinha dos cupcakes, mas vi a receita na televisão e tive um ataque acutilante de gula. Depois acontecem episódios do género: chega a hora do lanche, começo a procurar receitas na internet, vou ficando cada vez com mais fome a ver as fotografias de receitas deliciosas e quando reparo na hora já é tarde demais para cozinhar - acabo sempre a comer uma torrada com manteiga e fico a aguar bolos. Encontrei a receita neste blog, mas tenho muitas dúvidas de que alguma vez o irei cozinhar. 


Muuuuuuuuuuuuuuuita cansada. É só isto. Não sei porque é que achei que ter um bebé de 4 meses e trabalhar em casa ao mesmo tempo ia ser canja de galinha.
Horários desde há 5 dias: acordar às 9h30 ou 10h, tratar da miúda, trabalhar enquanto ela reclama atenção de 1 em 1 minuto até às 22h. Das 22h às 3h trabalhar ao ritmo normal de quem está a cair de sono. Às 3h alimentar o bebé, às 6h alimentar o bebé e às 9h alimentar o bebé. E recomeçar. Claro que isto não ia correr bem... óbvio miúda.

17 de julho de 2013

EU GOSTO É DO VERÃO

Peter Stackpole—Time & Life Pictures/Getty Images (Modelo Lynn Jones, 1955)

 Co Rentmeester—Time & Life Pictures/Getty Images (Perto de Malibu, California, 1970)

 Paul Schutzer—Time & Life Pictures/Getty Images (Actriz Philomene Toulouse, 1962)


Stan Wayman—Time & Life Pictures/Getty Images (Modelo June Pickney, 1960)

  Nina Leen—Time & Life Pictures/Getty Images (Actriz Barbara Lange, 1945)

 Ralph Morse—Time & Life Pictures/Getty Images (France, 1945)

 Peter Stackpole—Time & Life Pictures/Getty Images (Santa Monica, California, 1940)


Ralph Morse—Time & Life Pictures/Getty Images (France, 1945)

Estas fotos da revista Life são tremendas. Factos: 1) em 1970, em Malibu, todas as garinas já esticavam o cabelo; 2) Os biquinis eram super reduzidos em França, já em 1945; 3) O design e corte dos biquinis em 1945 era uma coisa estranhíssima;  4) Em 1945 as miúdas já encolhiam a barriga para a fotografia (ser miúda é tramado); 5) Em 1960 já existiam aqueles óculos de sol enormes que os indianos tentam vender na night; Maravilha.

PUDIM DE CÔCO E CHOCOLATE

Check! Já fiz. Era um dos projectos para esta semana. Mas devo já assumir que ficou uma verdadeira montanha - disforme - e - semi - gelatinosa - meio - cremosa de leite condensado. Isto porquê? Por causa da forma. Fiz a receita de forma perfeita e não há outra razão para ter falhado. Preciso urgentemente de uma forma daquelas que abrem de lado porque já é a segunda sobremesa que sai estragada. Está tão horrível que decidi não desperdiçar uma barra de chocolate no pudim-monstro. Fica condenado a ser um pudim de côco. No entanto, não se pense que por causa disso vai para o lixo. O sabor é divinal e vou comer à mesma. Estou a pensar que seria interessante publicar aqui uma foto desta obra de doçaria, mas não quero estragar visualmente o blog porque sou uma amante de imagens bonitas. Pronto, vou comer.


JOSH, ATÉ JÁ


Há uns dois anos fomos a Praga e aproveitámos a viagem para a assistir a um concerto de Queens of the Stone Age numa sala pequenina, uma daquelas oportunidades raras que têm que ser aproveitadas. Já tinha tido a sorte de o fazer em Barcelona,  mas como gosto muito da banda, outra vez nunca é demais. Só que quando chegámos à entrada da sala, lá em Praga, à hora do concerto, demos de caras com a porta fechada. Havia várias coisas escritas em checo, mas ainda demorámos uns 30 minutos para cair na real e perceber que o concerto tinha sido cancelado. Até chorei um bocadinho. Foi uma facada no coração. Daqui a uns dias as estrelas de rock actuam no Super Bock, mas como tenho uma mini-estrela-de-rock em casa a comandar a agenda com o seu sorriso desdentado, não vou. E tenho pena. Quando ela estava na barriga ainda vi Ornatos, os Supernada, e The Black Keys, mas nesta fase não me resta mais nada senão esperar que cresça e que os QOTSA voltem brevemente. Este video é da Mexicola, a música que deu nome ao blog, sem razão nenhuma em especial. (É o nome da música e pelos vistos também é uma bebida feita de tequilha, lima e coca-cola.) O refrão vai ficar a ecoar na minha cabeça porque diz "Keep saying / Go on, Keep saying / Go on, Keep saying / You won't live forever." Fica a repetir "vai, vai, não vives para sempre", mas há coisas mais importantes. Maldita a hora em que o Super Bock mudou para aquele sítio.

Esta foi proclamada a semana dos abdominais. Abdominais todos os dias e pôr quilos e quilos de creme anti-flacidez. Foi proclamada a semana de cortar etiquetas da roupa, de fazer um pudim de côco e chocolate, de fazer doce de abóbora e de levantar mais cedo. Foi proclamada a semana "de fazer acontecer coisas que não costumam acontecer". Começa a contar agora (mas comecei os abdominais ontem).


EQUAÇÃO MUITO BÁSICA

(bebé de 7Kg + apartamento no 3º andar sem elevador) 
X
 (subir com carrinho + cadeirinha do carro) 
a pernas de uma garota de 10 anos (sim, cheias de nódoas negras)



Decidi que esta semana vou esvaziar o roupeiro e deixar só o essencial. Ver-me livre daquelas camisolas que estão há anos à espera de serem usadas mais uma vez seria um alívio. Olhar para uma camisola com buracos e alfinetes a segurar bainhas descosidas e pensar "é melhor não deitar fora, posso querer usá-la para o ano" acontece mais frequentemente do que eu gostaria. É preciso ter alguma determinação para agarrar na t-shirt que temos no armário desde os 9 anos (aquela pela qual temos um carinho especial mas que se está a desfazer na gaveta) e desaparecer com ela do mapa. Dá trabalho mas pode significar abrir espaço para entrar roupa nova, especialmente agora, porque depois de ter um bebé tudo parece desajustado da realidade. Já para não falar das medalhas de mérito que se propagam por tudo o que existe no roupeiro, as chamadas bolsadelas. As bolsadelas entraram na minha vida e na minha roupa há quatro meses - ainda estou para descobrir como é que há mamãs tão impecáveis e limpinhas...

FLASHES DO FDS




Fui apanhar o ar da maresia numa praia vizinha. Gosto muito do misto fé - copos e cascas de berbigão na taberna do Tizelino - barraquinhas às riscas. É adorável. Estas imagens também significam matar saudades da avó. Só queria fazer isto durante a semana, para fugir aos magotes de gente. O inverno nesta praia tem sempre mais encanto.

11 de julho de 2013

NEURA 2


Hoje ia toda bem disposta com a Zolita no autocarro, quando uma senhora que estava a conversar sobre a crise com outras mulheres, pôs o seu melhor ar de consternação e disse: "Aiiiiiiii! Eu tenho pena é destes, olhe (e aponta para a Zolita, que coitada só tem 3 meses), estes não têm culpa nenhuma e vão pagar TUDO!". Juro que me apeteceu arrancar-lhe os cabelos um por um e perguntar "Ouça lá sua velha agourenta, tem alguma coisa que estar a traçar sinas ao meu bebé?! Olha que esta, hein!!?". Vou fazer tudo o que estiver ao meu alcance para isso não acontecer, que é o que todos os bons pais fazem, e se tiver que a levar daqui para fora para ela ter uma vida melhor, levo. Fingi que não a ouvi e fiz a minha melhor cara de antipática. Raio da velhota, já não basta as coisas estarem esquisitas.

A UMA GRÁVIDA NÃO SE DIZ NÃO





Ora muito bem, a pedido da Leididi, que está quase quase a conhecer a Amália, aqui ficam as fotos dos biscoitos de limão e gengibre que fiz ontem. Tenho que responder a algumas perguntas que obviamente vão surgir, e a principal é: porque é que o frasco só está meio cheio? Por causa do efeito que este frasco maravilhoso tem nas bolachas e nas pessoas. Este frasco veio parar aqui a casa pela mão da Filipa, quando eu ainda estava de bebé, e vinha cheio de Brownies. Ainda não sei se a Filipa me ofereceu ou se apenas me emprestou o frasco (tenho que ser sincera), mas gosto tanto dele que tenho sempre bolachas ou biscoitos lá dentro. O problema é que o frasco chama tanto a atenção que normalmente tudo o que lá está desaparece em segundos. É como se fosse um efeito mágico. Uma simples bolacha Maria que entre dentro deste frasco, sabe a patisserie francesa do mais alto nível, e é automaticamente devorada. Segunda pergunta: então e a receita dos bolinhos? Está aqui. Foi roubada e adaptada porque não havia tangerinas em casa, é um clássico. Terceira e última pergunta: o São Braz ajudou-te a curar a dor de garganta com os biscoitos? É uma coisa que nunca saberei, porque apesar de ter carregado aquilo com gengibre que até ferve, estou a tomar antibióticos. Mas os biscoitos são bons. Ah, outra coisa, é preciso dizer que a Leididi tem um blog muita cool, que eu leio sempre. Visitem!


10 de julho de 2013

Neste momento, com uma dor de garganta infernal e a pingar do nariz. Decidi transformar uma receita de bolinhos de tangerina e gengibre em bolinhos de limão e gengibre. Pode ser que com umas rezas ao santo das maleitas da garganta (que acabei de confirmar que existe, é o São Braz) os bolinhos tenham um efeito curativo. Estão no forno. Depois digo se resultou. (Isto do santo era uma brincadeira, mas afinal há mesmo santos para tudo).

IN ♥ WITH SURF



 ♥ O trailer de uma história de surf na Itália. É belíssimo para os meus olhos! Cada vez com mais vontade de aprender a surfar. Talvez para o ano haja lugar para mim e para a Zolita na única prancha cá de casa. Podemos ir os 3, à semelhança daquelas famílias orientais, que vão aos 3 e 4 numa motorizada, e às vezes ainda cabe o cão. Podemos?

SUSHIE SCORES


Produtos portugueses com muita pinta ou a colecção mais variada de acessórios que há na rede? A Sushie tem mãozinhas para tudo, ela é malas, ela é bolsas, ela é pochetes, pastas, malas para o portátil, aventais - a criatividade da portuguesa-com-os-olhos-mais-orientais-de-Leiria não tem limites. Gosto de muitas peças da Sushie, por exemplo as bolsinhas de todos os tamanhos, mas tenho um crush pelos lenços tubo. Tenho um, que recebi como prenda de Natal, no entanto a colecção de padrões é tão grande que é impossível uma pessoa não se perder por mais dois ou três. A Sushie é uma mulher cheia de garra por iiiisso, se a procurarem nas feiras e mercados de design e arts&crafts que vão acontecendo pelo país (por exemplo o Mercado Quebra Costas em Coimbra, ou no Crafts & Design) de certeza que a vão encontrar (faça frio, faça chuva, sol ou muito vento, como eu própria já pude constatar). Mas isto é o primeiro passo, porque à velocidade que ela constrói a marca, eu já consigo ver o futuro na minha bola de cristal, que é uma loja Sushie. Ainda me lembro de passarmos as tardes a inventar, a combinar horas de estudo e depois a desviar os planos para ficarmos a ler revistas ou a fazer missangas horas a fio. As tardes na casa dela eram sempre mais doces, porque havia um armário cheio de guloseimas que era praticamente meu, e enfardar caramelos franceses era um dos pontos altos dos dias. Quando escrevemos sobre estas coisas as memórias vão-se avivando, até da Minha Agenda eu me lembro, misturada com os cadernos da escola...  É bom ver os amigos a começar com uma ideia simples, remar contra as marés e conseguir chegar a bom porto, era a nossa nipónicazita e agora é empresária e mulher de armas! As voltas que isto dá... Entretanto apercebi-me agora que tem promoções na página de facebook, é aproveitar enquanto ela está mãos largas! Dá-lhe miúda!


9 de julho de 2013

ESTENDAL-GALERIA





Este ano, no meu aniversário, a Maria chegou a casa dos meus pais com um envelope branco e disse-me: "Toma, está aqui a tua prenda." Às vezes um envelope contém mais do que papeis, este tinha uma história de amizade: era uma selecção de imagens que, segundo a Maria, têm a ver comigo. Foi muito interessante, porque revelou muito de mim, e revelou muito da maneira como ela me vê enquanto pessoa. E eu identifiquei-me com todas, por isso ela vê-me como eu acho que sou, que é uma coisa sempre muito feliz (já me aconteceu perceber que há pessoas que me vêm como eu acho que não sou, mas isso é outra história). Adiante, o envelope não só tinha as imagens como tinha também molas metálicas, e a Maria disse que era só uma sugestão de como poderia prendê-las. Já passaram muitos meses desde esta troca, e ontem decidi pôr as mãos à obra: agarrei num martelo, em três pregos e em fio e fiz um estendal-galeria no meu corredor. Depois decidi transformá-lo num projecto continuado - estas fotos vão ficar aqui uns meses, ou anos, e mais tarde vou substítui-las por outros temas: fotos minhas, fotos da Zolita, fotos de família, ilustrações, recortes políticos, fotos de viagens, fotos de amigos...acho que isto vai dar uma vida nova ao meu corredor, que era o único espaço minimalista da casa (mas como nós não conseguimos controlar o impulso de fazer instalações em todo o lado, deixou de ser). Isto também vai ajudar a que as melhores fotografias saiam da pasta do computador e venham cá para fora ver o mundo.(Maria, obrigada, como vês a tua ideia foi genial!)


Deve haver uma energia muito especial no bairro onde eu vivo porque toda a minha gente grita. Acho que nem quando vivia na Madragôa era assim. Aqui todos acham que se devem manifestar o mais alto possível. Os vizinhos de cima arrastam móveis e batem com toda a tralha, os do lado fazem cenas de ciúmes, os de trás gritam, os do pátio choram por causa da ex-namorada, os miúdos ouvem música brega muito alto na espectacular-coluna-do-telemóvel, no bar, em baixo, o porteiro fala aos berros, os gatos do telhado miam mais alto do que os outros gatos, os cães ladram com mais vontade, as pessoas põem as garrafas no eco-ponto com mais estardalhaço, apitam a buzina do automóvel sem olhar a horas, os bombeiros tocam a corneta de hora a hora, e no altifalante comunicam todas as ocorrências do dia (sei sempre em que prédio há fuga de gás, porta para arrombar ou águas para fechar). Pergunto-me como adormecer um bebé com ouvidos ultra-sensíveis em dias como este, em que o calor não permite ter janelas fechadas. Agradeço todas as dicas.

8 de julho de 2013

oooh!

Do ilustrador Hyoko.

Ontem desconfiei que estou à beira da loucura quando às 23h, com 31ºC dentro de casa, janelas todas abertas e sem uma brisa, me encontrei a ver um programa sobre vulcões no canal História. Mas que raio, quem quer ver programas sobre vulcões com este calor? A lava pastosa, as explosões de fogo, o magma incandesdente a 1200ºC, tudo a escorregar muito devagar pela encosta... Confesso que ainda vi o dito programa durante 5 minutos, mas estava distraída, o que eu queria mesmo era ver programas sobre avalanches de neve.

5 de julho de 2013

TESOURINHOS A OCUPAR O DISCO














Encontrei esta maravilha quando andava nas pastas mais remotas do computador a procurar as fotos da casa dos meus avós. Gosto muito: 
a) das carpetes Carpélio, apetece ter uma, daquela côr, principalmente para nos refastelarmos nestes dias de calor; 
b) Gibbs para a barba DURA!; 
c) dos penteados das senhoras que estão a testar a Planta;
d) do discurso da senhora da Cafiaspirina, que obteve naquela noite um belo êxito artístico;
Já não se fazem anúncios desta categoria.