30 de abril de 2014

ÚLTIMA ENTREGA DO DIA


Foi agora mesmo! Fiz algumas entregas ao domicílio. Sobraram muito poucos crachás, mas acho que ainda consigo escolher um para mim, iupiii! Houve muitos pedidos e entregas nestes dois dias porque as pessoas procuraram os crachás especialmente para oferecer no dia da mãe, mas é importante não esquecer que estas medalhas de mérito são para usar durante o ano todo e podem ser usadas 24h por dia, inclusive fora das datas especiais. Houve um pai que me disse: " Estão tão giros que até eu estava capaz de envergar um!" Espero que gostem dos vossos crachás e os usem com orgulho! Grande obrigada! 


DIA DE LIMPAR O MUNDO


Quero dizer, dia de limpar o meu mundo. A minha casa propriamente dita. Preciso de sorte. Muita sorte.

28 de abril de 2014

SERVIÇO ESPECIAL SUPER MAMÃS


Esta manhã, num abrir e fechar de olhos, fiz estas composições gráficas para crachás, que espero que vão parar directamente à lapela das mamãs portuguesas (que bem merecem). Agora que sou mamã, e que já vi que é mesmo difícil, acho que vou atribuir um a mim própria e aplicá-lo à camisola numa cerimónia bem pomposa, com confetis a cair em cima da minha própria cabeça. 
As mães de muitas crianças, deveriam ter direito a um crachá por filho. Em ouro e cravejado de diamantes de 75 quilates. Fora de brincadeiras, fiz isto para uma encomenda super sónica, mas eu própria também estarei a vender estas preciosidades. Muito mais em conta que um diamante e portanto óptimos para épocas de crise. Estou contente, porque mesmo que não se venda nenhum, poderei forrar a roupa com eles e andar super orgulhosa pela rua.

26 de abril de 2014

FUI SÓ DAR UMA VISTA DE OLHOS













Quinta-feira passada, andava eu na habitual correria contra o tempo, quando um destes cartazes irónicos chamaram a minha atenção - espreitei pela porta do Armazém Geral, vi cactos iguais aos da Suricactus e tive que entrar. Sou sincera, não esperava uma loja tão cool e divertida como esta e só de entrar lá fiquei bem disposta. São muito assertivos nas coisas que escrevem nos seus anúncios porque entrei, dei uma vista de olhos e não comprei nada (mas fiquei com vontade).

24 de abril de 2014

Foto roubada à wikipedia

Aleluia! Maria Rita estreou-se e dormiu esta noite das 22h às 7h30. Devem estar para cair santos do altar…

23 de abril de 2014

RESUMO DOS DIAS

Quando fico muito tempo sem publicar nada no blog é porque a rotina está ao contrário nesta casa. Basicamente não se dorme desde quinta-feira passada, sendo que as duas últimas noites foram particularmente intensas, com a Zolita a não querer dormir.
Às três da manhã olha para as molduras das paredes e diz com um ar muito interessado "olha, olha, olha", enquanto aponta com o seu dedo cónico.
Esta noite tive muito tempo para pensar em estratégias e cheguei a uma lista:
Hipótese 1) Deixá-la chorar até parar (já experimentámos e o choro prolonga-se quase duas horas, não resulta)
Hipótese 2) Ir para o pé do berço, sentar-me ao pé dela e embalar enquanto ela chora (esta hipótese, também já testada, não traz grandes melhorias e tem a agravante de dar grandes dores de costas, ao fim de algum tempo. Para além disso passado 5 minutos, em pijama e sentada num banco, o frio ataca fortemente e fico a tremer dos pés à cabeça)
Hipótese 3) Ir para a sala ver Baby Tv (esta opção traz rápidos resultados mas é altamente desaconselhada pela pediatra e educadora)
Hipótese 4) Trazê-la para a nossa cama e levar 27 murros no olho por minuto e alguns pontapés nas costelas até ela adormecer (experimentei esta a noite passada e passado 1h30 consegui apenas amolecer o diabrete)
Como ela já estava a dormir tão bem diariamente, quase até às 6h30 da manhã, não percebo o que é que se está a passar.  
Resultado, depois de estar não sei quantos dias a escrever um conto para o concurso de literatura de crianças do Pingo Doce, percebi que tinha lido mal o regulamento e deixei passar o dia de entrega, tenho o trabalho descontrolado, a casa descontroladamente desarrumada e para ajudar à festa o aspirador avariou-se =D eheheh (tenho que me rir) Também não ganhei o concurso das almofadas… desconsolada mas ainda assim optimista.

LIFESTYLE RAZOÁVEL


surf family story in Bali from Artjom Kurepin wedemotions on Vimeo.

Parece razoável aos meus olhos. Neste momento nem pensar em mais barrigas redondas (à excepção da barriga da Zola), mas de resto comprava o pack e aplicáva-o à minha vida, como se fosse uma app. Assim, sem tirar nem pôr.

18 de abril de 2014

Ontem foi para outro mundo um dos escritores mais brutais que li. O romance "Cem anos de solidão" do Gabriel García Marquez é o meu livro preferido e tenho mesmo muita pena que alguns seres não possam ser imortais. Será imortal e inesquecível de outra maneira.

VIDA AOS 33


Nestes dias que antecedem os meus 33 anos, estou a ter um blackout criativo e por isso é que não tenho vindo escrever ao blog. Mas os blackouts fazem parte da vida. Já estou a tomar vitaminas. Entretanto decidi que para marcar esta data épica (festejos de 4 dias) deveria escrever sobre as coisas que descobri em 33 anos. Sobre mim e sobre o mundo. Em 33 pontos. Lanço-me às feras, aqui vai:

1. Verdades antigas "Devemos gastar o tempo livre a ficar bem dispostos","a vida não é só trabalho", "saúdinha é que interessa", "quanto mais nos baixamos, mais se nos vê o rabo", essas coisas que os avós costumam dizer, é acreditar. Porque são verdade.

2. Aspecto para que te quero Nunca serei uma senhora bem vestida mas estarei sempre maquilhada. E quando for velhinha vou ser daquelas com o cabelo lilás.

3. Lifestyle & gastronomia Uma panela de pipocas com caramelo pode perfeitamente ser o nosso jantar.

4. Sonhos e objectivos Os nossos sonhos são para acreditar e tentar. Temos que começar por algum lado e às vezes não é mesmo aquilo que tinhamos imaginado, mas para chegar a objectivos é preciso percorrer caminhos, e às  vezes eles são muuuuito compridos e chatos. Não há outra maneira. Ainda assim podemos falhar, mas não há como fazer tentativas, por isso é seguir em frente que atrás vem gente.

5. A crise está na cabeça Não poder comprar camisolas na H&M ou cd's na Fnac não é crise. Crise é viver na rua e isso é um assunto que me deixa transtornada.

6. A dança Provavelmente deveria ter investido numa carreira de dança e não a ser designer. Porque não gastaria tanto tempo atrás do ecrã, e seria certamente mais feliz. Ainda me inscrevi numa escola de dança há dois anos e estava a adorar, até que, enquanto dançava, me deu uma dor abdominal horrenda, descobri que estava de bebé e acabou-se a dança. Sítio certo, hora errada.

7. O contacto Precisamos de estar na natureza. Precisamos de pôr os pés na terra, no mar e na erva e de estar no meio de árvores. Vasos na varanda não chegam.

8. Os outros O mundo não está cheio de gente boa. Também há algumas pessoas estranhas. Mentalmente desequilibradas. Estafermas. Energúmenas. E vivem do outro lado da rua. (Outro segredo: normalmente as que estão armadas ao pingarelho não percebem nada de nada).

9. Os outros II Pode-se dizer mal dessas pessoas. Não tem mal. Nós merecemos e elas também (não das que estão armadas ao pingarelho, só das estafermas).

10. O mundo e o sol no mundo Não posso ir à Austrália, nem à Califórnia, nem ao Brasil, por enquanto, mas posso patinar à beira-mar em Carcavelos, posso ver ondas gigantes na Nazaré, e ir à Costa Vicentina no Verão, que começa quase em Maio. Há boas razões em Portugal para não emigrar, coisa que já fiz e voltaria a fazer se fosse preciso. Mas há nórdicos que davam o dedo mindinho para ter sol das 8h às 20h. Importante: sair de casa e fazer coisas. Há programas que não precisam de bilhete.

11. Capacidade de auto análise Não sou tão organizada como pensava. Mas tenho epifanias de organização.

12. Pecados capitais A quantidade de água que bebo é proporcionalmente inversa à quantidade de doces que como.

13. Crer Deveria ter como objectivo ser mais organizada.

14. Dar com a língua nos dentes O silêncio é de ouro. Principalmente se estivermos para dizer "vai-se andando". Essa expressão deveria ser erradicada. Isto conta para perguntas, respostas e principalmente quando estamos prestes a falar sobre a vida alheia.

15. O consumo Quando compro uma coisa na Zara, ou na H&M, ou na Mango, e diz na etiqueta "Made in China", "Made in Bangladesh", "Made in outros sítios assim", tenho consciência que para eu ter aquilo na mão há pessoas a trabalhar numa cave. E cada vez me custa mais.

16. Reagir Ter a resposta na ponta da língua é uma coisa que se pode aprender, treinar e dá muito jeito em algumas situações. Não tem que ser falta de educação.

17. Uma filha Não sabemos o que é estar verdadeiramente cansado até termos um bebé. Neste ponto posso fazer uma alínea, que é: esta semana descobriu-se aqui em casa a razão pela qual os bebés choram tanto à noite, sem explicação aparente. Para quem quiser investigar isto é uma curiosidade e pêras. 

18. Amor próprio às paletes Se não gostarmos de nós, se não estivermos em primeiro lugar na nossa lista, se não adorarmos pelo menos uma coisa em nós, ninguém vai adorar. E não vale a pena perder muito tempo a tentar parecer a vizinha do 5º andar, já dizia o Kurt Cobain que é um grande desperdício. Outra coisa que aprendi com a Paulinha: mulher sem barriguinha é uma grande chata, porque ela não come, não bebe, não faz nada de errado. Nunca mais me esqueci.

19. Não desmoralizar Se os estufados não nos saem bem, fazemos bolos. Se os bolos correrem mal, fazemos crepes. Isto aplica-se a tudo na vida. Dar a volta por cima é uma arte.

20. Ser a melhor do meu mundo Adoraria ser exímia numa coisa. Ser a melhor do mundo em qualquer coisa. Mas não sou. Sou boa em várias pequenas coisas e razoável noutras. Ainda estou a tentar descobrir como vou juntá-las todas e ser o supra sumo da batata numa coisa não inventada, que me irá catapular para a fama. Filosofia nova: desde há um tempo para cá, quando faço uma coisa, tento sempre fazer a melhor versão possível. A versão vencedora. Mesmo que isso implique fazer 3 vezes. Antes não estava para isso, mas vale a pena. Principalmente quando tentamos ganhar concursos. E mais, segundo o meu melhor amigo, só temos que ser os melhores do nosso mundo.

21. Capas O que fica bem à Angelina Jolie pode não nos ficar bem a nós. Por isso mais vale sair de casa com coisas que nos façam sentir realmente confortáveis e fieis a nós próprios. Outra coisa que descobri em relação a isto: roupeiros cheios não nos levam a lado nenhum. Menos é mais. Mas há dias de caprichos.

22. A nação Este país precisa de uma revolução. Eu começaria por fazer uma limpeza na área da corrupção. Precisamos de um Robin dos Bosques. Mas isto não é uma descoberta minha, é cultura geral.

23. O que tentam fazer de nós Aos 33 perdi a paciência para ouvir falar da troika, do pib, da dívida pública, da anti-constitucionalidade, e dos discursos inflamados sobre os portugueses mais atingidos. Perdi a paciência e perdi a fé. Portanto quando está a dar o telejornal escolho o canal Panda e vejo o Pocoyo com a Zola. Escolho não ouvir.

24. Atitude Tenho consciência de que se todas as pessoas de 33 anos tiverem esta atitude, não vamos a lado nenhum. Mas já levantei o rabo do sofá muitas vezes. Estou só num período sabático.

25. Propriedade Não precisamos de acumular muitas coisas para sermos felizes. Não precisamos de comprar um apartamento, um carro para cada pessoa, uns móveis rococó, um serviço fino dos que ficam no armário para as visitas, candelabros, desumidificadores… depois é mais difícil mudar e limpar o pó.

26. Café A energia súbita que temos aos 23, que nos deixa aguentar na discoteca a noite inteira sem precisar de dormir e ir trabalhar no dia seguinte, foi programada pelo organismo e pela natureza para podermos ter bebés. Essa energia destina-se a ficar a noite inteira acordada para poder tratar do bebé e aguentar. Mas nessa altura não temos bebés, estamos na night. Nem nos lembramos disso. Aos 30 sim, temos bebés e pensamos que essa energia dava jeito. Vai daí o café torna-se o nosso melhor amigo.

27. Bebé power A nossa bebé é a melhor. Do mundo. Cheira bem, é gordinha, é inteligente que se farta, canta bem, dança bem, brinca bem, faz as melhores birras, tem os melhores totós, a melhor personalidade. Tudo em bom. Tem poderes. 

28. Viagens e concertos precisam-se As viagens que fiz não chegam. Os concertos a que fui também não. Preciso de mais. Muitos mais.

29. Séries da vida Ser boa namorada é esperar que ele chegue a casa à meia-noite para vermos a Guerra dos Tronos juntos, mesmo sabendo que vai adormecer nos primeiros dez minutos. Às vezes não faço isso. Mas não me importo de ver o episódio duas vezes só para lhe fazer companhia. Também conta.

30. Flexibilidade e confrontos Depois dos 30 fiquei mais intolerante. Ainda assim tenho muuuuito mais paciência do que as pessoas normais.

31. Viver acompanhada Todos os minutos que passamos com a nossa família, com os nossos amigos, são valiosos. É aproveitar enquanto não nos cai um tijolo na cabeça e manter contactos mesmo com quem está longe. E o mais lindo é que podemos ser punks e ter amigos da realeza. Resulta, apesar das diferenças. Amigos são amigos.

32. Acho que tenho a certeza Estou sempre a dizer a expressão "acho que" para começar frases, ou "acho eu" para concluir frases, mesmo quando tenho a certeza das coisas. Isto precisa de ser  rapidamente corrigido e substituído por "estou certa" e "não podia estar mais convencida".

33. O caminho escolho eu Às vezes é preciso interromper um percurso, desistir de tudo e recomeçar do zero. Já fiz isso algumas vezes e este ano repeti a dose. Custa um bocadinho mas vale a pena, principalmente se estivermos infelizes e acharmos que podemos mudar para melhor. O principal: escolher o que achamos certo e ver a big picture.

E pronto…33 coisas que sei aos 33 anos. Falta um dia para consolidar a sabedoria, mas entretanto já recebi um presente, que foi este maravilhoso par de patins vintage. Quando chegaram a casa, entregues pelos CTT, senti o mesmo que uma criança de 7 anos sente quando recebe um brinquedo e comecei a patinar no corredor. Foi aí que tive ainda mais a certeza que aos 33 continuo miúda. Não mudou nada, afinal esta conversa dos trintas é mito. Bring it on! 

11 de abril de 2014

CONCURSAÓLIC









As almofadas são daqui

Con . cur . sa . ólic - concursa'hôlik: pessoa viciada em concursos. 
Acho que me estou a tornar viciada em tentar ganhar coisas. Primeiro foi o concurso das sardinhas, agora estou também a escrever uma história infantil para participar num concurso, ontem concorri para tentar ganhar estas almofadas (sim, admito que é estranho) e hoje já tentei ganhar um Kit de cremes da Caudalie. Ou seja, esta situação está a adquirir contornos esquizofrénicos e muito delicados. Se der por mim a tentar ganhar mais alguma coisa dentro das próximas 24 horas vou começar a ficar preocupada… agora que penso bem, esta semana até fiz um trabalho a concurso, coisa que nunca tinha feito antes. 
Ignorando a patologia, as almofadas são mesmo muita giras, o que me está a preocupar é, se ganhar, como é que vou pagar os portes desta tralha toda. É que vêm da Austrália!

10 de abril de 2014

3 DENTES DE MENTOL


Tchanam! De volta! Sobrevivemos a mais uma virose, esta quase letal, mas não quero perder tempo a falar disso. Só um ponto importante a destacar: a Zolita não emagreceu, continua gordinha. 
O mais importante da semana, que está quase no fim, é que agora ela lava os dentes com pasta! Espectacular. Para mim é espectacular, porque nasceu há tão pouco tempo, e de repente vejo-a com a escova em punho, a raspar a língua pequena, redonda e vermelhinha, e a tentar acompanhar a velocidade dos adultos enquanto lava os seus três dentes. É um dos momentos mais hilariantes do dia e dá sempre direito a ficar bem disposto, mesmo depois de dias de cão. Como é lógico a intenção da pequena Zola passa só e simplesmente por comer o máximo de pasta que conseguir, e já sei que chegará o dia em que ela não vai querer lavar nem um, nem dois, nem três dentes, mas por agora é isto: damos qualquer coisa para ver esta escova de borracha em movimento.


ESTOU LIGADA


Estive um ano à espera que chegasse a Guerra dos Tronos e neste momento estou completamente sintonizada. Para além de estar a ler os livros (que são 10) sou completamente viciada na série e uma das minhas personagens favoritas é esta, a Khaleesi. A história dá tantas voltas que é impossível perceber qual dos personagens será o bom ou o vilão no final (até porque alguns morrem inesperadamente pelo caminho). A Emilia Clarke não é certamente a melhor performance da série, mas inspira-me porque estou em pulgas para ver uma mulher sentada no trono dos sete reinos. Provavelmente isso não vai acontecer, o mais certo é ser comida por um dos dragões, mas é impossível não torcer por ela. Há personagens muito fáceis de odiar nesta série, esses são sempre os melhores actores, mas quase de certeza o Jon Snow é um dos grandes favoritos. Tudo pode acontecer e como estou bastante viciada é difícil esperar pelo episódio seguinte. Acho que só estive tão ligada assim na altura da série Roma. Tenho os dvd's e tudo. Em castelhano.


7 de abril de 2014

A vizinha do primeiro tentou saber se somos licenciados. =)
Sim querida vizinha, claro que sim, somos serial killers, pomos veneno na salsa que emprestamos e comemos crianças ao pequeno almoço, mas somos licenciados, que é o que importa.
Estas coisas divertem-me (suspiro).

5 de abril de 2014

Armada em super-miúda/mãe/designer.
Cansada, bebé finalmente a dormir, está aberta a hora oficial do logotipo. Inspiração nocturna, integra-te!

3 de abril de 2014

Jantar revenge: um iogurte grego com 4kg de doce de leite e um croissant com queijo.

COMPOSIÇÃO "O MEU DIA"

Roubei daqui.

Ou "Um dia Sweeney Todd".
Este dia foiiiii, uhu! Uma merd*!

7h a Zolita acordou e esfregou-me com brinquedos de madeira na cara.
8h30  a Zolita vomitou o pequeno-almoço sujando um perímetro de 1 metro em seu redor. Ela, o centro da circunferência, incluída.
10h  Conseguimos sair de casa depois de trocar de roupa, sapatos, sujar muitas toalhas, etc
10h30-12h  percorri uma zona inteira de Lisboa à procura de lojas de ferragens que tivessem gesso de enchimento, encontrei após 4 lojas, num estabelecimento mesmo à porta de casa
12h30 Recebi o email de um cliente, a dizer que o logotipo que eu tinha feito e achava o máximo, não era bem o que ele precisava
Pisei cocó de cão.
12h30 - 15h Quero aqui agradecer muito às pessoas que têm cães e os levam à rua para o passeio higiénico mas não limpam a porcaria. É que se não fosse assim, os restantes transeuntes não teriam a oportunidade (como eu tive) de pisar uma mega caca rinocerontica, que lhes trará sorte, muita muita sorte. Pisei uma bosta tão grande, que me dará direito não a um dia, mas a uma semana inteira de sorte. Comecei com tapetes, escadas, botas e acabei a passar lexívia no soalho… Como devem imaginar, para quem tem um bebé que gatinha pela casa fora, isto implica uma desinfecção geral…(Raios me partam). Para me acalmar reservei 10 minutos e decidi coser 4 botões num casaco. Zen. Sentada numa cadeira.
14h Enquanto limpava a despensa, desequilibrou-se uma pilha de latas de atum, que se projectaram sobre um tacho, que caiu com grande estrondo em cima de uma caixa de cebolas e espalhou tudo no chão. Uma das latas ainda me raspou o cocuruto. Normal.
16h Telefonam da creche a dizer que a Zolita tinha continuado com vómitos, tinha também diarreia, tinha tomado duas vezes banho e tinha sujado toda a roupa disponível, que fosse lá rapidamente repor o stock e buscar a miúda
16h30 Consegui sair de casa e quando cheguei à paragem não havia autocarros: 30 minutos a subir a pé até à creche em passo rápido
16h40 Apercebo-me que a razão de não haver autocarros era uma manifestação de agricultores (força pessoal) em contra-corrente. Tive que nadar no meio deles.
17h30 Chego a casa com a Zolita, com os planos de passear ao sol aniquilados, e decidi dar-lhe banana, que ela ama de coração e vinha mesmo a jeito. Na cozinha ouvi um estrondo: ela tinha atirado o prato, um dos meus preferidos e únicos, para o chão, e estilhaçou-o em 1000 pedaços depois de eu ter aspirado o chão da sala.
18h30 Decidi fazer uma sopa de cenoura e arroz para o jantar e parti um copo no lava-loiça, um do serviço bom, atenção, que se desfez em 400 bocados afiados. Nesta casa que nunca se parte nada.
21h Depois de mudar 200 fraldas e do banho tomado, estávamos na sala a relaxar e caiu um bibelot sozinho (fenómeno poltergeist) na estante da sala com um grande estrondo. Saltei do sofá.

Comecei a ficar preocupada e telefonei ao Manel a dizer que está tudo a cair sozinho nesta casa e o dia está a ser muito estranho. Ele responde sempre o mesmo: "está sempre tudo a cair à tua volta, é normal". "é a tua energia, não te preocupes". "é porque és uma despistada e eu não estou aí a desviar os objectos do teu caminho".
O dia está quase a acabar, mas ao ritmo que isto vai, só vou descansar quando passarem 5 min da meia noite. Não consegui terminar os trabalhos importantes, tenho bicos de papagaio e só estou a rezar para a miúda estabilizar do estômago ou ainda terei uma noite longa pela frente. Dito isto... eu não acreditava em dias de azar. Extremamente desmotivada.

2 de abril de 2014

SURICACTUS PICANTES



















A propósito de projectos interessantes, já tinha falado nos cactos do meu irmão? Acho que sim, mas desta vez as fotografias são ainda mais bonitas (sushie, roubei duas da tua objectiva, obrigada =). Pois bem, neste momento o meu irmão tem muita coisa para fazer, mas o projecto dos cactos está começado. Foi começado por ele e pelo meu pai e eu acho-o tão único que insisto em relembrá-lo. 
Estar dentro de uma estufa só de cactos é uma experiência no mínimo curiosa: a sensação é que estamos num planeta com outra vegetação, numa paisagem que poderia ser lunar, outras vezes no fundo do mar. As formas, os feitios e as cores formam um leque tão diverso como se de um ambiente marinho se tratasse. No segundo seguinte estamos numa estepe desértica, e os cactos fazem-nos lembrar o cenários de um filme árido. Resultado de tudo isto: o meu irmão comentou comigo que baptizou o projecto de Suricactus, numa alusão às colónias de suricatas que habitam o deserto da Namibía, zona de onde o meu pai é original, e eu achei a ideia tão engraçada que decidi oferecer-lhe um logotipo, que é a primeira imagem deste post. Agora estou ansiosa para que ele comece a vender cactos para poder ver o logotipo nas embalagens, nos sacos, nos cartões, nas carrinhas da empresa, enfim, tudo como era nos anos 90. Boa sorte para o projecto mano!