28 de agosto de 2014

RECADO A MORPHEUS

Morpheus e Iris, Guerin Pierre Narcisse /1811
Querido Morpheus,

conheci-te ontem e hoje já sou tua fervorosa devota. Antes de adormecer falei alto, e fiz uma prece simples: "querido deus do sono, permite-me dormir enquanto ela dorme". O Manel disse logo que o deus do sono era o Morpheus, ao que eu respondi como-é-que sabes-essas-coisas, ao que ele respondeu eu-sei-tudo, adiante, era mesmo verdade, afinal existes, não és fruto da minha necessidade imaginária. E o que se passou a seguir só pode mesmo ter sido obra tua, porque tivemos uma noite de sono como já não tínhamos há algum tempo. Só nos levantamos 3 ou 4 vezes =) e por pouco tempo. Pelos vistos decidiste abençoar os nossos sonhos, por isso o post de hoje é em tua homenagem. Parece-me que na pintura te faltam as asas, e estás com um look um bocadinho andrógino, mas deve ter sido bizarria do artista. Além disso pouco importa, considera este blog um altar dedicado à tua plena devoção (pelo menos enquanto cumprires a tua função divina e fizeres magia). Obrigada por andares por aqui (estás à vontade para pernoitar, o sofá é teu e o colchão tripartido também)

Tua fã número 1,
Mexicola

26 de agosto de 2014

REVOLUÇÕES POR MINUTO







Aqui há uns tempos falei de novos projectos que estavam na calha, e até disse que a aventura ia começar no terreno. Pois bem, depois da viagem aos Picos da Europa, que foi a minha segunda aventura de moto, aqui está a terceira: é uma aventura de moto à mesma, mas em vez de ser à pendura, é ao volante do projecto gráfico da REV (aqui pode soar a orquestra). A REV é um projecto já com 22 edições, não é propriamente uma revista bebé, já vinha cheia de identidade e com hordas de fãs aguerridos, por isso eu sabia que tinha uma grande responsabilidade em mãos. Quem escreve na REV tem muita experiência no assunto, e quem fotografa na REV fá-lo como tubarão na água (ultrapassa portanto o peixinho na água, não sei se me faço entender). Não foi uma surpresa perceber que desenhar esta revista me estava a dar muito gozo a nível profissional, as páginas brancas foram telas para a minha imaginação e a liberdade associada ao projecto fez com que deixasse a criatividade acelerar à vontade. Depois de ter trabalhado no jornal i, um universo de ideias, e numa revista de moda e lifestyle mais artística que o habitual, nunca na vida me passou pela cabeça que viria a desenhar uma revista de e para motociclistas. E com tanto carisma. Sendo que, até à data, a minha experiência na área foi apenas de ir à pendura, posso dizer que estou muito satisfeita com o resultado. Ficam dois ou três flashes do que é a REV por dentro, tanta ou mais personalidade que algumas revistas de nariz arrebitado. Esta edição já está nas bancas.

Curiosidade: REV, assim baptizada porque os manómetros das motas dizem revolutions per minute (frequência de rotação), inspirada em revolução e em rêve (sonho). Genial, não é?

25 de agosto de 2014

AINDA A ARROGÂNCIA, MAS DESTA VEZ CLASSE A


Hoje fui comprar dois livros a uma livraria "bem frequentada" mas quando saí do estabelecimento verifiquei que pessoa que me atendeu tinha cobrado apenas o livro mais barato. Como tinha sido bem atendida e estava com o síndrome Madre Teresa de Calcutá decidi ser correcta, voltar atrás, dizer-lhe o que tinha acontecido e pagar os dois livros. Decorreu apenas meio minuto, mas quando cheguei ao balcão já não estava a rapariga simpática e sim uma senhora entrunfada e enfadada, que me olhou dos pés à cabeça. Como não tenho um penteado armado com laqué, não uso camisa com logotipo nem digo "caturreira" (uso roupa mais descontraída, o que não significa que não tenha maneiras) fui logo tratada com certa arrogância. Ainda por cima levava um saco de livros na mão, a cena indiciava claramente uma reclamação, portanto toca a arrebitar cachimbo. Pedi para falar com a pessoa que me tinha atendido antes, ao que a Morticia-Addams-das-livrarias me respondeu secamente "Ausentou-se. Do que se trata?". Expliquei a situação, que tinha pago um livro e vinha pagar o segundo, em falta. Nesta altura apanhei a senhora de surpresa, mas como a dita já tinha começado a atender-me num registo de superioridade, o orgulho foi mais forte, e não conseguiu inverter o comportamento, por isso em vez de agradecer logo, começou a bufar e a dizer para o ar "ai, vou ter que falar com a funcionária", ameaçando já um raspanete à rapariga. Apressou-se a efectivar a compra e no fim conseguiu sussurrar um comprometido "obrigada pela honestidade", que nessa altura me caiu tão mal como um pequeno-almoço de couve lombarda com lentilhas. Durante todo o processo fez um único sorriso, forçado.
E pronto, foi assim que a boa acção do dia se transformou em arrependimento imediato. Na realidade podia ter seguido caminho em direcção a casa, feliz da vida, com um livro à borla no saco, mas para não ser uma megera fiz o contrário e fui provar que a geração não é rasca, e depois levei com a gerente pobre e mal agradecida, que para além de não ser humilde foi de certeza encher a cabeça da empregada com recomendações interplanetárias, azedas e autoritárias. The power of little power… Que bom.

24 de agosto de 2014

70's






Giro e giro. Queria ter isto no meu roupeiro. Mas são peças vintage únicas e dificilmente viajarão até Lisboa. Ainda há esperança no roupeiro do sotão dos meus pais, felizmente. Daqui.

CONHECI A WEDNESDAY ADDAMS OU A ARROGÂNCIA INFANTIL


Estivemos a socializar com crianças de muitas idades e a minha noção de infância sofreu um choque traumático. Num determinado momento aproximei-me com a Zola de um local de brincadeiras ocupado por dois meninos mais velhos. Depois de ouvir repetidamente a frase "aqui não se pode entrar", "este lugar é reservado" e "a porta está trancada, só nós é que podemos estar aqui", acatei os avisos e fiquei do lado de fora, a respeitar os limites impostos pelas crianças que já lá estavam. A determinada altura a Zolita debruçou-se para a zona proibida para apanhar um brinquedo, e logo uma mão intransigente se esticou para a barriga dela, a empurrar e a deixar claro que ali ela não podia estar. Só que a mão devia ter uns 8 anos e a Zola só tem um, de maneira que tive que chamar a atenção da miúda para o facto de a minha filha ser apenas uma bebé. Fui fulminada por 2 olhos pouco satisfeitos e passado um momento ouvi a criatura irritante dizer ao amigo: "O que achas que podia ser bom para entreter um bebé? Uma tesoura, talvez…". Nem queria acreditar nos meus ouvidos e acho que ela teve sorte por estarem ali mais adultos, porque a minha vontade foi algo muito próximo a agarrá-la por um braço, encostá-la à parede e com uma tesoura fazer-lhe um corte de cabelo à monge tibetano. E depois dizer-lhe: "Estás a ver? É para isto que as tesouras servem." Mas não disse nada. Ela era uma criança e por isso fiquei caladinha (mas a explodir de raiva) e tirei dali a minha filha assim que foi possível. Com a breca, que miúda macabra.

P.S. (Isto leva-me a acreditar que às vezes quando ouvimos mães de sorriso amarelo a comentarem para outras mães coisas do tipo "não faz mal, são só crianças", na verdade elas estão a pensar "meu diabrete, se eu te apanho torço-te esse pescoço até pareceres um cordel")


23 de agosto de 2014

A VERDADEIRA DONDOCA


Um fim de tarde à varanda a ver quem passa, a aquecer os pezinhos ao sol e a mandar postas de pescada aos transeuntes, que muito se alegram com o desplante da vedeta e com os seus descarados "Olá quida!" Uma bomboca.

A FAÍSCA QUE FALTAVA





O Por Ti Perco a Cabeça lançou este Verão mais uma colecção de caixinhas de fósforos. As caixinhas são tão mini e tão queridas que é impossível não as querer todas. Desta vez as coisas são ainda mais divertidas porque a cabeça dos fósforos é colorida e cada caixa tem um íman, prontinho para colar à porta do frigorífico (já forrei o meu). As imagens das caixas variam entre sardinhas e elétricos ou galos de Barcelos, mas não consigo imaginar nada mais encantador do que receber uma caixinha a dizer "Por Ti Perco a Cabeça" da nossa cara metade. Como uma coisa tão pequena pode reacender corações…Desenhado aqui, pela caneta da Mexicola =)

DIA DE COSTURA!


Tchanam! Fiz um top! Sem moldes nem nada, foi pensar, cortar e coser. Deveras satisfeita. Tinha este tecido guardado há anos, à espera de uma oportunidade para brilhar e cá está o modelito. Muito melhor do que uma t-shirt da Inditex. 

20 de agosto de 2014

POIS GOSTO DISTO | SURFER GIRLS








Muito boas fotos de Will Adler. Para me inspirar a passar o fim do Verão a surfar. E também para contemplar algo simplesmente bonito que me empurre para a beira-mar.

19 de agosto de 2014

POR FALAR NISTO: o meu anti olheiras está quase a acabar






Imagens roubadas em "How to be a dad" e "Scout CheatSheet" (onde podem encontrar ainda mais imagens)

Estou a desperdiçar horas de sono que amanhã me vão custar, mas juro que não sou capaz de parar de me rir com estas ilustrações. Quem tem um bebé deste tipo em casa sabe que estas imagens não podiam ser mais reais. A Zola faz muitas vezes a versão "H is for Hell" e a "Snow Angels", mas a preferida dela é mesmo "The Stalker". Por causa disso agora não sai do berço.


UM POST DE VERÃO







A punk Zola está de férias em casa e por isso só tenho tempo para estar com ela. Os dias com um bebé têm tanto de bom como de longos, porque a casa é uma área demasiado limitada para uma exploradora tão intensa. Esta semana tem feito das dela todos os dias: encontrei a máquina de lavar cheia de fraldas descartáveis (limpas, claro) e a obsessão com sapatos está cada vez mais evidente. Encontro-os pela  casa fora nas mais diferentes situações: nas prateleiras da cozinha ou misturados com os panos da louça, enfiados no espremedor de citrinos, misturados com as coisas de escritório, enfim, todo o lugar é um óptimo lugar para um sapato de "senhora" (estas fotos foram todas tiradas no mesmo dia, mas se continuar a tirar fotos a sapatos posso fazer um álbum).  Primeiro achava que era só porque sapatos são sinónimo de ir à rua, mas agora acho que ela é simplesmente uma menina. E as meninas gostam de sapatos. 
Como se cansa muito rapidamente de cada actividade tenho que estar sempre a pensar num plano sólido de entretenimento, não podemos correr o risco de ficar a olhar uma para a outra uma tarde inteira. Hoje levei-a às compras, como demonstrou ser tão boa a organizar máquinas de lavar esteve a ajudar-me a pôr a roupa dela na máquina e depois organizou a secção de congelados no frigorífico. À tarde fizemos biscoitos (ela amassou, espalhou metade da massa pelo soalho, comeu um grande bocadão e o que restou deu para uns 15 biscoitos). Deu trabalho, mas ainda assim foi uma hora bem passada. Quando viu o tabuleiro cheio de biscoitos cozidos disse UAU!!, embora não tenha chegado a perceber se ela sabia que aqueles eram os biscoitos feitos por ela. Acabou a tarde a dar banho a um tigre e a um burro no bidé da casa de banho, encharcada até aos ossos, mas extremamente bem disposta. Compensaram também os litros de poças de água que tive que limpar a seguir.

BLOGS I ♥




Encontrei um pinterest à medida dos meus sonhos (capilares). Montes e montes de ideias e tutoriais para tranças. Chama-se Braid Romance.

16 de agosto de 2014

MEU QUERIDO MÊS DE AGOSTO




Já não ia às festas das minha terra pra lá de sete anos. E fiquei impressionada com o empenho.

PRECISO DE ME ENDIVIDAR


Vou explicar: enchi a máquina fotografica cheia de micro grãos de areia e agora ela não funciona. Preciso de uma máquina nova e muito boa para fotografar a minha bebé punk. (É uma nota preta, preciso de um crédito).

Hoje o sócia do Carlos veio arranjar o autoclismo a minha casa. Foi assim, abri a porta e lá estava ele, o Carlos Castro em pessoa. Depois lembrei-me que tinha chamado um homem para me arranjar uma porta e outras coisas avariadas. Foi estranho ver o Carlos Castro dizer que "o problema poderia ser do sifão", "passa-me a chaves de fenda" e outras coisas do género...

14 de agosto de 2014

NÃO FAZ MAL, EU AGUENTO


Estas duas últimas semanas tive tanto, mas tanto trabalho, que quase me fundi com a cadeira da secretária. Como já estou no limite, até os olhos me ardem enquanto faço este post. E juro que esta manhã o demo tentou fazer das dele. Entrou-me pelo computador adentro e tentou manipular as minhas artes finais. Aha! Mas eu não deixei. Claro! Belzebu foi corrido by She-ra, princess of poweeeer! Toma lá! Neste momento nem sei o que se passa no mundo, mas já cá estou outra vez, pronta para novas sagas nesta fresca silly season. (vou comer)

Também quero uma horta destas. Na sala.